domingo, 18 de dezembro de 2011

REFLEXIONANDO

É sempre assim, pelo menos é o que penso!
Os que querem não podem, os que podem abortam
E não só crianças, mas sonhos, que ao meio cortam.
Transformando o alegre mundo em mundo tenso.

Ver chorar quem se ama é algo cruel!
Pior é quando nada se pode fazer
Ver quem se ama, na sua frente, sofrer
Tem um gosto mais amargo que o fel!

Interessante que o mal não saí de quem odiamos
Parece até uma piada de mal gosto!
Os que nós amamos são os que batem em nosso rosto
E vão bater sempre, pois sempre os perdoamos.

O mundo é injusto, sempre favorece o que apronta
O justo já é quase minoria.
Num mundo em que as minorias estão numa gritaria
Como se pudesses atingir os filhos da sombra.

A verdade e o amor estão fora de moda
A gentileza então nem se fala
A sinceridade ninguém mais embala
Como se faz com um bebê que já toma Coca!

É assim sempre, penso, é o que pelo menos!
Os que não podem querem, os que abortam podem!
Acho que é por isso que as tectônicas sacodem:
Fazem um pedido para que acordemos.

Wallace Rodolfo

domingo, 4 de dezembro de 2011

Um grito interior

 Amanhecer na BR-070. Foto: Izaias Resplandes.

Um grito interior

Um grito interior ecoa...
É o lamento de um ser
que não pode falar em alta voz
tudo que pensa, que almeja,
que enraivece
que entristece, que incita,
que mágoa, que horroriza, que escandaliza!

Um grito interior ecoa...
É  o lamento de um ser
que não  pode falar em alta voz
aquilo que desespera, que exagera,
que enche o saco, que tira o sono,
que tira a paz, que extrapola limites,
que desassosegsa a alma, que sufoca,
que invoca, que provoca!

Um grito interior ecoa...
É o lamento educado de um ser
que tem vontade de mandar pra aquele lugar,
jogar tudo pra o alto, pisar na jaca,
mandar tudo as  favas.... Epa..., mas espera aí...
É apenas um grito interior!

Autora: Márcia Nunes

Única solução

Nascer do sol na BR-70 (região do Paredão). Foto: Izaias Resplandes
Única solução

Quando estava na solidão,
Você completou o meu vázio.
Quando eu chorei,
Você aparou minhas lágrimas.
Quando tive frio,
Você foi o meu agasalho.
Quando me senti fraca, abatida,
Você foi  a minha força.

Quando me desprezaram,
Você me aconselhou, acolheu.
Quando andei, andei, andei,
pelas ruas sem paradeiro,
Você entre mil, me viste primeiro.
Quando pra mim a medicina
não teve explicação,
JESUS, VOCÊ FOI  a única solidão!

Se pro mundo Você  é filosofia,
pra mim Você é alegria.
Se pro mundo você é fanatismo,
pra mim Você é  realismo.
Se pro mundo Você é  Loucura,
pra mim Você é vitória.
Se o mundo  vive em trevas
pra mim Você é a luz
o único que nunca falha
pra mim com certeza é JESUS!!!!

Autora: Márcia Nunes

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Som da Concha terá shows de Aurélio Miranda e Dila Alves no domingo



O upenino Aurélio Miranda é notícia na imprensa sul-matogrossense neste dia 18/08/2011.


Às 07h36 o site http://www.campograndenews.com.br/ divulgou a notícia abaixo:



"O projeto “Som da Concha” terá shows de Aurélio Miranda e Dila Alves no
próximo domingo. As apresentações acontecem a partir das 17h30, na Concha
Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande. A
entrada é franca.
Aurélio Miranda comemora seus “35 anos de viola” com um
repertório que traz composições próprias e de amigos da música. A retrospectiva
musical trará canções como Estrada de Chão, Mulher Pantaneira, Canta Saudade,
Peão Peonada e Nossa Senhora do Pantanal".


Leia mais em:
http://www.campograndenews.com.br/entretenimento/cultura/som-da-concha-tera-shows-de-aurelio-miranda-e-dila-alves-no-domingo


domingo, 14 de agosto de 2011

Tertúlia Rural Upenina



A UPE se reuniu neste 14/08/2011 na Fazenda Duas Irmãs, do upenino Genivá Bezerra, para realizar mais uma de suas tertúlias. Na ocasião esteve presente pela primeira vez junto com a comunidade upenina, na condição de sócio efetivo da entidade, o Dr. José Antônio de Castro Leite Nogueira, o “Toninho”, advogado militante em Primavera do Leste, o qual se fez acompanhar do amigo Dr. Marcos Nascimento (advogado residente em Primavera do Leste).
Estiveram presentes nove upeninos: Prof. Genivá Bezerra (anfitrião), com sua esposa Elienor de Lima; Dr. José Antônio Nogueira (novo membro), acompanhado do Dr. Marcos Nascimento; Prof. Gaudêncio Amorim (Vice-Presidente da UPE), acompanhado de sua esposa Luzineth, o filho Vinícius, a filha Wanessa e do neto Luís Felipe; Wállace Rodolfo; Prof. Luís Carlos Ferreira (Tesoureiro da UPE), acompanhado da esposa Olga; Profª. Márcia Adriana Nunes; o cantor e compositor Amorésio Sousa Silva, autor de "Paladar da Emoção" acompanhado do sanfoneiro Antônio e filho; Prof. Izaias Resplandes de Sousa (Presidente da UPE), acompanhado da esposa Lourdes e da filha Mariza Resplandes; e, Prof. João de Sousa (Vice-Presidente da UPE), acompanhado da esposa Sulene Campos e neta.
Na parte solene da reunião, o Presidente agradeceu a presença de todos e, especialmente ao prof. Genivá pela "abertura das porteiras da Fazenda Duas Irmãs" para receber os upeninos; estes recitaram poesias, relembraram crônicas históricas do povoamento de Poxoréu e de suas andanças. Na parte final da tertúlia, os participantes degustaram um suculento e delicioso churrasco preparado pelos anfitriões.
A Fazenda Duas Irmãs está situada à margem esquerda da MT-130. Apesar da seca, decorrente do período de estiagem, o cenário é propício para belíssimas fotos que nos lembrariam um pouco da paisagem nordestina.
Os cantores oficiais e de plantão, acompanhados por Amorésio e Antônio cantaram os clássicos da música popular brasileira rural.
Valeu a pena! Foi um maravilhoso dia upenino no campo.
Posted by Picasa

quarta-feira, 6 de julho de 2011

SER ÉTICO É RUIM?

                Estamos assistindo, ainda que inconscientes, a um espetáculo dantesco: o mal vencendo o bem! (Pelo menos na aparência). Lutamos uma vida inteira para tentar conquistar um lugar ao sol, enquanto folgados que só fazem maldades tem tudo na mão...
                Ouvi alguns dias atrás a sentença: “Quando você tiver a sua empresa terá que entrar no jogo, caso contrário não lucrará!” Fiquei perplexo! Quer dizer que quem tentar ser diferente estará fadado ao fracasso? Ou ainda que: “o diferente” é ser ético e a regra é ser imoral? A ética e a moral estão em desuso. Mas para que usá-las se podemos ser políticos, sermos qualquer coisa de errado e, caso sejamos pegos, pagaremos fiança (ou suborno)? O que não podemos, definitivamente, é sermos honestos! Parece até piada
                Será que não se percebe o quanto os maus estão triunfando? Os bons já são minoria, o que fazer? Devemos resistir e morrer à míngua ou entrar no jogo e morrer de remorso? Sim! Nós pobres e honestos ainda temos remorso...
                Castro Alves no prefácio das suas Espumas Flutuantes diz que: “Quem sempre vence é o porvir.” Ó, sábio poeta, mas o quando o porvir se desenha injusto demais, como esperar a vitória? Ó, poeta sábio, e se o porvir não chegar, valerá a batalha? Diga-nos, Castro, por favor, já que vives o eterno porvir...
                Alguns dizem que a luta aqui prepara o reino da vida eterna, boa explicação! Mas somos seres evoluídos e não basta mais só essa explicação. Não pode ser considerada uma doutrina, seja qual for o teor e a origem dela, que não dignifique o ser humano, pois ninguém vive só de miséria e só de mentira. É verdade também que ninguém é feliz repentinamente, mas num processo e, já nessa vida, precisamos experimentá-la. Explicações puramente mitológicas não podem mais nos convencer.
                Sou cristão porque acredito que o Cristo, além da ética e da moral, tentou tornar o mundo mais feliz com a sua mensagem profunda.  Num país quase que absolutamente cristão urge que façamos uma auditoria em nossas vidas para, sem medo, olharmos qual a contribuição que estamos dando para o mundo se tornar o local onde os bons vencem. Ou podemos também simplesmente esperar, pois João 14, 1b-2 nos garante: “Crede em Deus, crede também em mim. Na casa do meu Pai há muitas moradas. Não fosse assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar.” Só espero, após tantas lutas e desgostos nessa vida, ter uma boa morada, senão... Nada, já estarei morto!

Wallace Rodolfo

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Poesias de Gaudêncio e Wallace



Aqui está uma pequena amostra das poesias de qualidade Gaudêncio Amorim e Wallace Rodolfo (à frente na foto). Poesias para ler, decorar e declmar nos diversos momentos da vida.






Leias e baixe-as para o seu computador.



terça-feira, 21 de junho de 2011

LOUCURA

Estava sentado à beira da praia.
Olhando o mar, entrando no céu.
Pensei nos peixes e aonde a vida espraia
Desejei que do meu rosto caísse o véu.

Divagações à parte, voltei a realidade
Comecei a pensar na minha vida passada.
Tentei olhá-la com mais acuidade.
Meu Deus! Como ela estava travada!

Nem eu consigo isso explicar!
Não sabia que a rua dobrava;
Nem que a vida viria a acabar
Muito menos que o coração chorava.

Não percebia que o cérebro parava
Nem que os nervos descansavam
Não vi que o olhar secava
Nem senti que os instintos gritavam.

Como vivi até esse momento?
Não vivi, caminhei vazio.
Agora entendo o tamanho tormento
Que me tomou no agosto sombrio.

É fácil nascer! É fácil existir! É fácil estar!
É difícil viver! É difícil assumir! É difícil notar!
Encarar a vida com seriedade é fácil demais!
Difícil é ser sério com a seriedade (incapaz).

Precisamos viver para ser,
Precisamos ser para amar,
Precisamos amar para ter,
Precisamos ter para dar.

Estava sentado à beira da ida
Olhando a mim, entrando em meu coração.
Pensei na morte e como estava minha vida.
Desejei loucamente ter uma faca na mão.

Wallace Rodolfo
 Upenino e Acadêmico de Administração.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

AMIGA ZENAIDE (De A a Z)




PROF. LUIS CARLOS FERREIRA



Amiga Incondicional Que Perdi;
Bacana Para Com Todos;
Carismática Por Deus;
Dedicada Sem Limites;
Especial Em Todos Os Convívios;
Fantástica Em Bons Exemplos;
Gentil Ao Extremo;
Honesta Por Ideal;
Inteligente Sem Regras;
Justa Por Gratidão;
Leal Acima De Todo Preço;
Mãe Compreensiva E Preventiva;
Necessária Pela Disponibilidade Humana;
Organizada A Bem Da Ordem E Da Disciplina;
Professora Das Letras E Dos Bons Modos;
Querida, Sobretudo, Onde Estiver;
Responsável Para Que Tudo Dê Certo;
Servidora Mais Que Pública – Humana;
Terna Na Amizade, No Carinho... Na Compreensão;
Upenina Carimbada... Registrada... Rotulada – De Plantão;
Verdadeiramente Inimiga Da Mentira E Da Intriga
Xerife Da Família Em Toda Sua Extensão.
Zenaide: É Transcendental A Tudo Isso!



A UPE (e eu) estamos consternados... muito abalados, deveras abatidos em razão do passamento súbito da nossa co-irmã – notável upenina – Zenaide. Momentaneamente, o som radiofônico da emissora SULMATOGROSSENSE quedou ao silêncio, pela ausência de sua voz participativa nos programas domingueiros Momentos de Arte e Cultura da União Poxorense de Escritores

Falecimento de Zenaide Farias Pinto




Noticiamos o falecimento da poetisa Zenaide Farias Pinto, aos 72 anos, na noite desta terça-feira, dia 15 de junho, às 23h30, em Poxoréu.

Natural de Barra do Mendes (BA), mãe de 11 filhos, avó de 20 netos, funcionária pública estadual aposentada e membro da União Poxorense de Escritores, dona Zenaide escreveu o livro de poesias Raios Misturados [agosto de 1998] e publicou artigos e poesias na revista A Upenina e jornal O Upenino. Participou, também, da apresentação do programa Momento de Arte e Cultura nas manhãs de domingos na Rádio Sul Mato-grossense.

O corpo está sendo velado na capela São João Batista, de onde sairá para o enterro às 15h no cemitério local.


Extraído do Blog Poxoréu: www.pox.zip.net

quarta-feira, 8 de junho de 2011

O maestro

Da direita para a esquerda: o poeta Amarílio Neto, Dr. João Batista Cavalcante, Prof. João de Sousa, Garibaldi Toledo de Moraes, Wallace Rodolfo, Gaudêncio Amorim e Izaias Resplandes, na reunião da UPE do dia 29/05/2011, em Poxoréu, MT


O MAESTRO

Amarílio Neto

No palco iluminado o coral canta.
À frente o maestro que o compassa
Com vera maestria. O povo aplaude
O uníssono de vozes que o ar devassa.

No entanto, quem supunha que o maestro
No riso que floria em seu semblante
Escondia a excruciante agonia
De ter a mãe doente tão distante?

Calor de palmas e de efusões... Vitória!
O povo sente que o coral escala
A vez primeira o pedestal da glória.

E canta, aplaude e ri. Chora o coral.
Sofrendo com seu mestre a dor acerba,
De ter tão longe a mãe, passando mal.

Poema de Amarílio Neto alusivo ao Coral de Poxoréu idealizado por Armando Catrana e Bruno Marini. Publicado no blog http://www.pox.zip.net/ .

domingo, 8 de maio de 2011

A morte do Comendador Eoni de Souza Lima

Filho de Aristides de Souza Lima e Osvaldina Queiroz Lima.

Nasceu no dia 29 de maio de 1920 no Bairro do Porto, na cidade de Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Faleceu em Cuiabá, MT, em 08 de maio de 2011. Foi sepultado em Poxoréu no dia 09/05/2011, no Cemitério Municipal.

É o segundo de uma família de onze irmãos. Hoje estão vivos Eoni, Creone, Ivone e Iolete.

Em Cuiabá, Eoni morou nas ruas Coronel Peixoto, Prainha, Formosa, 15 de novembro e na rua dos Porcos. Ainda era criança quando acompanhou seu pai em algumas viagens de trabalho pelos sertões do Estado na implantação da linha telegráfica pela expedição do General Cândido Mariano da Silva Rondon. Seu pai, era telegrafista.

Aos sete anos Eoni começou a estudar no Grupo Escolar André Avelino, onde cursou até o quarto ano e fez a admissão em 1930. Com o falecimento de seu pai em 30 de outubro de 1930 e sendo um dos filhos mais velhos foi obrigado a interromper os estudos para trabalhar para que pudesse ajudar sua mãe no sustento dos irmãos menores.

Com 15 anos trabalhou como vendedor em várias casas comerciais, em Cuiabá.

Alistou-se no exército com 17 anos e serviu no 16º Batalhão de caçadores em Cuiabá, na rua 24 de outubro, hoje o 44º Batalhão de Infantaria Motorizada. No exército, teve oportunidade de servir em Campo Grande e Corumbá, hoje Mato Grosso do Sul. Influenciado pela profissão de seu pai, em 1939 aprendeu o ofício de telegrafista.

Completado o tempo, no Exército deu baixa e foi contratado temporariamente pela empresa dos correios e telégrafos na função de telegrafista e enviado em 1940, para servir na cidade de Poxoréu, onde prestou serviços, por dois anos.

Após deixar as funções de telegrafista em Poxoréu por força do encerramento do seu contrato e influenciado por alguns amigos garimpeiros aventureiros e ávidos por fortuna fácil, Eoni foi para o influente povoado garimpeiro do Batovi, hoje distrito do município de Tesouro. As atividades garimpeiras, que na época pareciam-lhe lucrativas não lhe trouxeram nem entusiamo nem lucro foi apenas ledo engano. Mas em Batovi, de fato, Eoni bamburrou. Em 1944 conheceu Alexandrina Gomes Camargo, nascida em Grajaú Maranhão, no dia 26 de maio de 1926. Namorara e se casaram no dia 26 de novembro de 1945, na colônia indígena de Sangradouro. Dessa união nasceram sete filhos, dos quais sobreviveram três: Afonso Souza Lima, José Maria Souza Lima e João Batista Souza Lima. Mais tarde, adotaram Lucy Souza Lima.


Eoni permaneceu em Batovi até o ano de 1952, quando retorou a Poxoréu, indo trabalhar na lavoura, na região de Água Emendada. Em seguida, mudou-se para a região garimpeira da Barra do Coité, onde exerceu as funções de professor primário. Eoni percebendo que o magistério não lhe daria qualidade de vida para a família mudou-se para a cidade de Poxoréu e foi trabalhar no
bar do senhor Renato Coutinho, na Rua Bahia. Os dois, Renato e Eoni tornaram-se compadres e grandes amigos. Incentivado pelo amigo e tendo concluído o curso primário e o admissão, resolveu fazer o curso de contabilidade por correspondência no Instituto Universal Brasileiro, concluindo-o em 1956. Muda-se para o centro da cidade e numa casa alugada abre o seu escritório de contabilidade, tornando-se o segundo guarda livros da cidade. Não podendo assinar como contador recorreu a alguns amigos, Dona Auribela de Albuquerque, Cândido Noleto e o José Maria seu filho que cursou contabilidade em São Paulo.
Tudo muda em sua vida, as condições financeiras melhoraram e o sucesso de sua profissão, foi tamanha, que ele chegou a abrir um escritório contábil na vizinha e novel cidade de Mutum.
Eoni, mesmo sendo um cidadão humilde, simples, tímido até, não foi um recluso das atividades sociais e políticas de Poxoréu. Assumiu sim, vários cargos importantes na comunidade poxorense: presidente da cooperativa dos garimpeiros, presidente do Diamante Clube Sociedade Recreativa de Poxoréu, foi escrivão da polícia temporariamente pela delegacia da cidade, foi presidente as Associação do Hospital e Maternidade de Poxoréu. Ingressou na Ordem Maçônica Luz e Trabalho de Poxoréu, onde ocupou vários cargos. Foi venerável várias vezes. Estudante Assíduo: Quanto aos estudos Eoni não estava satisfeito. Logo que se criou o curso ginasial em Poxoréu no Ginásio 7 de Setembro, concluiu o ginásio. Em 1976 concluiu o curso de magistério na escola de segundo grau Dr. Fernando Correa da Costa, hoje Pe. César Albisetti.


O Político: Eoni, vivendo em Poxoréu e exercendo as mais diversas funções, acompanhou bem de perto o seu desenvolvimento político sem, no entanto se lançar em campanhas político partidárias.

Mas sua vez chegou. Com a implantação do regime militar no Brasil, o entusiasmo pela candidatura a prefeito do município diminuiu. O PSD (Partido Social Democrático), a UDN (União Democrática Nacional) e outros partidos foram banidos. Na campanha eleitoral de 1972, houve
apenas um candidato em Poxoréu. Nas eleições de 1976, as dificuldades eram as mesmas. Pelo MDB (Movimento Democrático Brasileiro), se apresentou o jovem economista Eustázio de Barros Filho, trazendo algum temor à situação que não tinha um candidato à vista. A ARENA (Aliança Renovadora Nacional), depois de muitas reuniões e consultas foi encontrar no cidadão Eoni de Souza Lima, o candidato ideal, para vencer as eleições. Ele concorreu, venceu e governou Poxoréu de 1977 a 1982.


O Administrador: Assumindo a prefeitura Eoni com a sua humildade e simplicidade procurou como metas para sua administração, algumas prioridades: A educação foi a primeira. No governo anterior ao seu, o município praticamente paralisou as suas atividades em função da construção da hidrelétrica Governador José Fragelli. Os salários havia muitos anos que não eram reajustados.

Entre 1974 e 1977, os professores municipais ganhavam apenas por oito meses de trabalhos anual, com um salário de 418,00 cruzeiros. Em 1977 Eoni já pagou um salário de 1.202,24 cruzeiros e passou a pagar dez meses.
Em 1978 os professores que não eram protegidos por um instituto de previdência, passou a receber um salário de 2.000,24 cruzeiros por mês. Em 1979 receberam um salário de 2.800,00 cruzeiros mensais e todo o pessoal lotado no departamento de educação, foi contratado pela CLT e ligados ao INPS, 1980 foi um ano privilegiado para os professores municipais em março ano privilegiado para os professores municipais em março receberam um aumento de 10% em agosto mais 30% em outubro mais 30%. Eoni analisando a situação da educação no município tomou algumas providencias importantes. Dentre essas, ele negociou com o governador do estado, para que passassem para rede estadual todas as escolas dos distritos que até então eram municipais.

Quotidianamente, logo nas primeiras horas comerciais, da cidade o poxorense, que transita pelas ruas Mato Grosso, Avenida Brasil e Rua Paraíba, podoa até passar despercebido, mas se estivesse atento, veria o casal Souza Lima a passos lentos, indo ou vindo de sua caminhada matinal.

Em algumas das missas celebradas na Matriz da Igreja Católica, infalivelmente ele agradeceu a Deus, pela a vida bem vivida em Poxoréu.

Em outubro de 2010 foi homenageado com a Comenda Viva Pó-Ceréu, instituída pelo Município de Poxoréu, para homenagear as pessoas que têm contribuído para o seu desenvolvimento.


Texto: Prof. João de Sousa
Fonte: A UPENINA nº 3, setembro de 2010, Poxoréu, MT. Revista da União Poxorense de Escritores.

9º Encontro de Violeiros: um avento que se agiganta.



Gaudêncio Amorim

O município de Poxoréu promoveu em 2003 o encontro de violeiros e, a partir dele, legiões de brasileiros acharam o caminho de Poxoréu para viver o encantamento de uma noite de viola, cuja emoção só pode ser narrada na experiência particular de cada participante que se deixou absorver inteiramente e, que desde o seu advento, foi crescendo até se tornar completamente do povo brasileiro pela louvável iniciativa do município de Poxoréu no Estado de Mato Grosso.

A 9ª edição do encontro de violeiros de Poxoréu pode ser equiparada a um bom vinho que quanto mais velho, melhor. Sua fama se reveste da mesma e senão maior importância que as jazidas diamantíferas de 1924 encontradas na 2ª expedição de João Airenas Teixeiras em São Pedro, cujo achado justificou o povoamento de região e, por conseguinte, o município de Poxoréu. O que é diferente,porém , é que o encontro de violeiros sinaliza uma ferramenta cultural de exploração econômica planejada e sustentável bem diferente do aspecto predatório e inconseqüente da exploração de diamantes no inicio do Sec. XX.

Na época do garimpo, a notícia percorreu as manchetes de jornais e revistas do Brasil; no encontro de violeiros, Poxoréu também se transforma no epicentro da mídia nacional, formulando registros que vão desde as melodias, os violeiros, a culinária, o turismo, a história e o legado de todas uma geração que se torna o mais importância produto para o consumo de milhões de brasileiros.

O 9ª encontros de violeiros de Poxoréu, segundo estimativa de alguns analistas foi prestigiado por um público de 15 a 25 mil pessoas entre as noites de Sexta Feira (dia 29) e sábado (dia 30/04) já se constituindo no 3º maior evento em público, atrás apenas de Barretos, em São Paulo e o Encontro dos Katireiros em Goiás, na opinião do Dr. Juvenal (Desembargador Estadual-vice Presidente do Tribunal de justiça de Mato Grosso).

Ademais, com a especificidade da viola, onde os violeiros se encontram em conjunto, diferente dos Shows particulares, só acontece em Poxoréu promovendo, inclusive, um encontro de geração e a revivificação da música raiz, como acontece em 2011, Zé Mulato e Cassiano, na estrada desde 1972 (ambos com mais de 60 anos de idade) com Otávio Augusto (32 anos) e Gabriel (28 anos), jovens de profissão, mas gigantes da viola cuja arte, certamente, possui a suprema aprovação do mestre Tião Carreiro.

Em particular, chama a atenção à evolução do concurso amador que projeta no cenário da viola, novos violeiros profissionais, diversificando e enriquecendo gerações como Lucas Reis e Thásio Candido; Marco Aurélio e Monte Negro; Kleuton e Karem; Eder e Cícero viola; Pedro Barbosa e Francis Lima e Bruna Violeira, todos egressos dos concursos de Poxoréu promovido a partir de 2003, os quais, na noite de 29/04, já na categoria profissional, deixaram registrados os seus shows, eivados de calorosos aplausos desde os pequenos Vinicius & Venâncio ao experiente Pedro Barbosa, ganhador dos dois primeiros concursos.

Noutra direção, as musicas raízes, de natureza genuinamente caipira, as quais pareciam se apresentar indesejáveis do publico jovem, se renovam nos delírios juvenis de um refrão marcante de uma outra melodia, produzindo coros ensurdecedores e ecos apropriados para gravações ao vivo. Sem desprestigiar as musicas eletrônicas da modernidade, a juventude tem demonstrado um novo reviver da, reconceituando – a e deleitando – se no sentido de uma melodia com mensagem, fundo moral e que por si, transmite valores e ensinamentos e não apenas sonoridade estridente a “provocar o corpo”. É evidente que a esta juventude não se reserva apenas o papel de espectadora, mas de reprodução do estilo para perpetuação de genuínos nomes da viola filhos de Poxoréu , assim como Aurélio Miranda , nosso cancioneiro maior.

Neste sentido, o evento enraíza seus pés numa época histórica, porém com os olhos fixos no futuro, modelando um palco de prosperidade que caminha na direção da sofisticação do evento para atenção da mídia internacional e, muito principalmente, na maturidade política da própria sociedade e na responsabilidade social das lideranças bem intencionadas, comprometidas com o desenvolvimento das potencialidades municipais na construção efetiva de um caminho para o progresso no que tange a “um saber relacionar-se” corporativas a ponto de ofuscar a grandeza do evento e o ganho coletivo da sociedade.

Á guisa de conclusão é oportuno mencionar Rui Barbosa, que entrou como um gênio anão desconhecido do mundo no portal gigante de Haia na Holanda e o deixou gigante o portão anão, nanico para comportar tamanha genialidade ,assim como está o Encontro de violeiros ,enquanto as tensões latejam nas disputas de espaço para o evento, nenhum dos litigados satisfazem mais uma nova realidade, obrigando as lideranças se agigantarem pelo menos ao tamanho dele, desnudadas das convicções ideológicas marcadas por disputas de poderes, patenteado por grupos ou associações de pessoas.

O encontro de Violeiros de Poxoréu está cada vez melhor. Então,todos nós como uma águia que se renova ,renovamos nossas energias, nossas conceitos e nossas convicções para seguirmos para lógica de fazê-lo “cada ano melhor”


Prof. Gaudêncio Amorim, poeta e escritor, 1º Vice-Presidente da UPE.

domingo, 1 de maio de 2011

Em prol de Poxoréu

Upeninos Luís Carlos Ferreira, João Batista Araújo Barbosa e João Batista Cavalcante




Nono Encontro de Violeiros. Primeiro Dia Rural no Abraço da Viola. Acabaram-se as festividades. As violas tocaram na Tenda do Paço Municipal e na Concha Acústica do Sindicato Rural. Elas deram o seu recado. O povo amou. Participou. Festejou. Poucos quiseram saber por que a festa foi aqui ou porque foi lá, ou porque foi ali e acolá. O que todos queriam era ouvir e cantar a verdadeira música de raiz sertaneja. E isso não faltou. E por isso, parabéns, Poxoréu! O seu povo está feliz.
Mas... E agora, prefeito Ronan? E agora, presidente Zé Violão? E agora, povo de Poxoréu? O que teremos pela frente após estes dois dias de cantoria? E de alegria?
A cidade não pára. Seu coração pulsa no ritmo dos projetos que suas lideranças sonham para o seu desenvolvimento. Assim, sonhar é preciso! Todavia, um sonho nem sempre é bom para todos e nem todos têm os mesmos sonhos. Às vezes é preciso ponderar, avaliar os melhores projetos e estabelecer prioridades. O consenso deve ser buscado a todo custo para que se consiga realizar o máximo com o mínimo.
Atendendo a um convite do Dr. Jurandir Ventresqui Guedes, Presidente da Subseção da OAB em Poxoréu, diversas pessoas poxoreanas fizeram do primeiro de maio um dia de encontro em prol de Poxoréu, em sua chácara. Entre as autoridades estavam o Desembargador Juvenal Pereira da Silva, Vice-Presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso; o Sr. Ronan Figueiredo Rocha, Prefeito de Poxoréu; o Vereador Leônidas Barcelos, Presidente da Câmara Municipal de Poxoréu; o Dr. João Batista Cavalcante, Presidente do Tribunal de Prerrogativas da OAB/MT; o Dr. Izaias Resplandes de Sousa, Presidente da União Poxorense de Escritores; o Dr. José Jorge Sobrinho, Presidente do Sindicato Rural de Poxoréu; o professor Gaudêncio Amorim, Secretário de Administração, Garibaldi Moraes, professor Luis Carlos Ferreira, Dr. Jeová Xavier, Dr. Jean-Louis Stock, arquiteto e blogueiro, João Batista Barbosa, advogado e blogueiro, o empresário Tanaka, professores e amigos da cidade.O dia tanto foi de elogios para as boas realizações, como também foi uma oportunidade para dialogar e aparar eventuais arestas que a vida democrática impõe de forma natural. Houve muitos debates, propostas e justificativas.

O Dr. Juvenal Pereira (foto acima) demonstrou o seu interesse de caminhar ao lado das lideranças do município em prol de Poxoréu. Todavia, deixou claro – e não somente ele, mas também outros como o Sr. Tanaka, por exemplo – que estará fora do movimento se vier a sentir que o interesse particular de cada um possa estar interferindo no projeto coletivo em prol de Poxoréu. O desembargador disse estar pronto, a qualquer instante, para acompanhar as lideranças nas reivindicações dos projetos em prol de sua terra. Para tanto, destacou ser necessário que busquemos o entendimento sobre quais serão os nossos projetos, os projetos da cidade pelos quais todos envidarão esforços para realizar.
A primeira grande discussão do encontro se deu em torno do local onde será realizado o 10º. Encontro de Violeiros. A idéia de consenso é que o evento deva voltar para a Concha Acústica, na sede do Sindicato Rural de Poxoréu. O local foi construído para essa finalidade. Embora os gastos com o aluguel das tendas e da carreta de som possa ser “mais em conta”, o aluguel é sempre um investimento que vai e não volta. Se esse dinheiro do aluguel vai sendo, evento após evento, investido na Concha Acústica, ela ficará cada vez melhor. E ali se poderá realizar não somente o Encontro de Violeiros, mas os Festivais de Música, de Teatro, de Poesia e outros eventos de platéia, pois foi preparada para isso. Já se gastou muito dinheiro ali e esse investimento precisa ser mais bem utilizado. Ao término da reunião, nos pareceu que o consenso foi alcançado e que em 2012, o Encontro de Violeiros será realizado na Concha. E as tendas somente serão usadas se forem necessárias para complementar a estrutura.
Além desse resultado, as lideranças passaram um pente-fino nos principais temas da Administração Pública, concluindo ser necessária uma maior transparência na aplicação dos recursos públicos municipais. Na ocasião foi sugerida a realização de um programa mensal de rádio, tipo “Café com o Prefeito”, onde esse possa conversar com a população, esclarecendo suas dúvidas e anseios. Também foi sugerido que a Prefeitura use o seu site na internet para a divulgação de suas atividades. A mesma observação foi feita em relação à Câmara Municipal. É consenso de que haverá um maior apoio da população se as ações municipais forem feitas de forma clara e bem explicada para que todos possam entender.Nos agradecimentos finais ficou a decisão de um novo encontro em junho, por ocasião dos festejos do padroeiro da cidade.

*Izaias Resplandes de Sousa, Advogado e Professor de Matemática é o Presidente da União Poxorense de Escritores.

sábado, 30 de abril de 2011

PEQUENOS TRABALHADORES DO BRASIL

Upeninos: Garibaldi Toledo, Genivá Bezerra, Luís Carlos Ferreira, Amorésio Silva e Márcia Nunes
Luís Carlos Ferreira




Pequenos Trabalhadores Do Brasil, Está Na Hora Do Recreio.
Depois Venham À Biblioteca Folhear As Páginas Pálidas
E Ver Crianças Esquálidas Que Não Conheceram Brinquedos.
Eram Simplesmente Escravas, Ou Crianças Dos Escravos
Sem Direitos A Folguedos... (Alguma Esperança Cálida);
Eram Crianças Esquecidas, Pobres Crianças Perdidas,
Sem Teto, Sem Lar E Sem Pão.
– Nem Sequer As Suas Súplicas Eram Tidas Como Válidas.
Nos Livros Estão Inscritas
As Memórias Da Infância Das Crianças Operárias
E A Labuta Missionária Das Crianças Jesuíticas,
Pois Os Jesuítas E As Crianças Tentaram Nesse País
Um Jeito De Ser Feliz – Com Teto, Com Amor E Com Pão.
Olhem Bem E Saibam Mais Cada Título Estampado:
Internatos E Cotidiano, Crianças E Criminalidade,,,
Genocídio De Crianças... É O Revelar Do Pecado
Que Recebemos De Herança,
A Partir Da História Trágico-Marítima Das Crianças Orientais.
Não Queremos Essa História Para Ilustrar Às Crianças:
Gentes Pálidas... Esquálidas... Tão Carentes De Esperanças.
Esta Não É A História Que Está Para As Crianças:
Sem Folguedos E Com Medo De Sua Própria Semelhança
Que Lhes Tiram Os Brinquedos, A Fé... Amor – Confiança...
A História Não Se Restringe Ao Que Viram Até Aqui;
Ela Tem Outras Passagens Que Vêm De Outras Paragens
Bem Mais Vastas... E Mais Belas.
Esta Parte Da História É Da Criança Que Chora,
Que Vive A Pedir Esmolas Na Escuridão Das Vielas.
Esta É A Trágica História Da Criança No Brasil
.. Mas, Encontrou-Se Uma Chance Para Lhes Servir O Lanche,
Até Três Vezes Ao Dia...
Não Mais Haverá Revanche E Não Mais As Tiranias.

DIA DO TRABALHO: UMA CRÔNICA APENAS

Escritores: Toninho Nogueira, Gaudêncio Amorim, JB Cavalcante e Izaias Resplandes


Prof. Gaudêncio Amorim
O 1º domingo de maio de 2011 é um domingo de paz, diferente daquele dia 03 de maio de 1886 em que na Chicago americana os confrontos contra as condições desumanas de trabalho e jornada estressante de 13 horas diárias influenciaria a história da humanidade e que mais tarde se tornaria data de comemoração do dia do trabalho, cuja reserva nos sugere repensar o mundo trabalho sob impacto da globalização na era capitalista.
Um pouco de história não faz mal, afinal, pensar os fatos sem uma referência é deixar nossa razão em ponto morto, como afirmava o filosofo alemão Imanuel Kant ou permanecer uma tabula rasa, conforme ensina o pensamento Lockeano.
Ademais, não podemos pensar algo sem o seu correspondente real e é neste particular a afirmação de Hegel, de que “a filosofia sempre chaga tarde”. Então vamos filosofar e para ser fiel a expressão, vamos “pensar no já pensado”, como Kant conceituara a filosofia. Pois bem: Naquela data, Milhares de trabalhadores protestavam e houve vários confrontos dos manifestantes com a polícia. No dia seguinte, esses confrontos se intensificaram, resultando na morte de diversos manifestantes. As manifestações e os protestos realizados pelos trabalhadores ficaram conhecidos como a Revolta de Haymarket.
Em 20 de junho de 1889, em Paris, a central sindical chamada Segunda Internacional instituiu o mesmo dia das manifestações como data máxima dos trabalhadores organizados, para assim, lutar pelas 8 horas de trabalho diário. Em 23 de abril de 1919, o senado francês ratificou a jornada de trabalho de 8 horas e proclamou o dia 1° de maio como feriado nacional.
Após a França estabelecer o Dia do Trabalho, a Rússia foi o primeiro país a adotar a data comemorativa, em 1920. No Brasil, a data foi consolidada em 1924 no governo de Artur Bernardes. Além disso, a partir do governo de Getúlio Vargas, as principais medidas de benefício ao trabalhador passaram a ser anunciadas nesta data. Atualmente, inúmeros países adotam o dia 1° de maio como o Dia do Trabalho, sendo considerado feriado em muitos deles.
Pela história dessa data, não há como falar de trabalho sem nos atermos as lutas de classes e de formação do proletariado de inspiração socialista capitaneada por Karl Marx, principal teórico do socialismo científico a partir do seu “Manifesto Comunista” em 1848, com F. Engels.
É de se notar que mesmo sem a utopia corporativa e universal do socialismo, cujas experiências se restringiram a Rússia de Lênin e Josef Stalin, a partir de 1917 e a China de Mao Tsung em 1949 o socialismo marxista influenciou o dia do trabalho, já que suas idéias contra o modo de produção capitalista resultou nas reflexões da categoria nas internacionais, tendo como referência a segunda que instituiu o dia do trabalho e também o direito de greve, sobressaindo, mais tarde, as teorias do materialismo histórico dialético, proletariado, luta de classe, mais valia, as quais passaram subsidiar inúmeras correntes de pensamento. Por isso, afirmo que este dia é um dia de comemoração, não de descanso, senão pela memória inigualável do patrono Marx, mas pelas conquistas práticas a que chegaram suas idéias a partir do sec. XX, tanto no que se refere a liberdade de pensamento e ação, quanto as melhoria das condições de trabalho e na possibilidade real, apesar ainda da exploração e alienação do trabalhador, de uma mobilidade social ascendente ou ainda uma evolução da estratificação profissional e econômica.
Essa data é um marco do exorcismo dos velhos fantasmas que reduzia o ser humano à coisificação, uma matéria sem vontade, sem vida para uma relação menos opressora materializada no direito e sem a necessidade de lutar pelo direito de ter direito, mas de se cumprir o direito reconhecido e legitimado.
De alguma forma, o trabalho sempre esteve vinculado ao homem, mesmo durante o primitivismo histórico distante do trabalho assalariado imputado pela onda das revoluções industriais, cuja existência denotou os extremos da oferta e da procura sob o impacto do liberalismo inglês teorizado por Locke. O próprio Marx afirmava que o trabalho é digno do homem, não a exploração predatória da sua força de trabalho, como condenado ao castigo de não possuir os meios e instrumentos de produção e assim, de algum modo o trabalho nos espelha, basta observar a afirmação de Charles Schulz: “O que fazemos durante as horas de trabalho determina o que temos; o que fazemos nas horas de lazer determina o que somos.”
É, neste diapasão nossa reflexão, pequena é bem verdade, mas uma oportunidade para repensar os caminhos íngremes pelos quais passou o trabalhador na história da humanidade, seja qual for o trabalho, pois não o classificamos em tipos, mas ao ato de laborar, de fazer algo para reproduzir nossa existência ou melhorar a qualidade de vida ao patamar da dignidade humana, pois como afirma Elena Bonner: Assim com não existem pessoas pequenas na vida, sem importância, também não existe trabalho insignificante”.

Finalmente, à guisa de conclusão desta crônica, resta uma centelha de luz, esperançoso que a história do trabalho nos faça pensar, que utilizemos o descanso para descansar trabalhando o nosso pensamento, como um artesão que se preocupa em “como usar o tempo e não como passar o tempo, sem a triste constatação de Henry Ford, para o qual, “Pensar é o trabalho mais pesado que há, e talvez seja essa a razão para tão poucos se dedicarem a isso.". vamos fazer do pensamento um lazer que, sem nenhum fardo pesado, possa nos dar prazer e leveza humana..
*Gaudêncio Amorim. Poeta. Escritor. Compositor filiado a UPE e Professor de Filosofia e Sociologia da E.E. Pe. Cesar Albisetti em Poxoréu.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Marcando Passos...

Foto: Wallace Rodolfo, Izaias Resplandes e Gaudêncio Amorim


*Gaudêncio Amorim

O processo de globalização iniciado no mundo possui os seus convenientes e inconvenientes, mas, por outro lado, expõe as comunidades e os próprios homens, enquanto seres existenciais socialmente organizados, à compreensão dos fenômenos de grandezas e dimensões variáveis para que, na condição de células sociais, partilhem e compreendam o mundo das idéias como na velha Grécia, assim o denominava o filósofo Platão. Todavia, de um mundo de idéias sensatas, racionais politicamente corretas e socialmente éticas, nunca um arroto do sentimento incontido ou de mágoas pessoais mal resolvidas. O mundo das idéias em que se apresenta esta idéia ainda é nebuloso, mas logo a iluminarei melhor. A princípio é uma idéia nebulosa, mas é também, a principio, uma idéia filosófica, única coisa incapaz de morrer no mundo das idéias. Por isso, toda idéia para ser inserida no contexto, precisa dos seus fundamentos, da sua história, sob pena de lhe ser impingida um caráter banal pela aclamação social. Assim, a dimensão histórica da globalização precisa ser aclarada, pois que nem sempre foi assim, ou seja, a globalização é um processo recente, tanto é que mesmo em franca proliferação do fenômeno em todo mundo, ainda existe comunidades fechadas, tribos em sistema de castas que não reconhecem o estreitamento das fronteiras políticas e culturais nem tampouco a pluralidade social como aspecto de um mesmo processo e, em tendência universal. A indiferença dessas comunidades e a incompreensão do fenômeno lhes trarão conseqüências desagradáveis e o preço do retrocesso, do atraso e de um incômodo lugar na retaguarda político-social e sobretudo, econômica. Lidar com a globalização requer um serviço de inteligência social materializada numa atitude para além dos discursos ouvidos e processados nos meios de comunicação. A globalização é uma realidade, quer reconheçamos ou não os seus efeitos. E. num futuro bem próximo, a crença da neutralidade ou da lamúria barata e retaliadora dos homens cederá lugar (forçosamente) para uma nova visão de futuro: a visão da história, da diversidade e do contexto que se explicitará na unidade, porém, com maiores avanços na direção da totalidade, da universalidade, numa visão que supera o homem e contempla o contexto social, econômico e político.


O reconhecimento a globalização, enquanto fenômeno universal, bom ou ruim, transformará os homens. E assim como este fenômeno estreita fronteiras aproxima os povos para uma convivência em direção da universalidade de tantos aspectos humanos, o homem tende a alargar os seus horizontes de compreensão da vida, da sociedade, da política e da cultura; tende, outrossim, a ser mais racional e menos emocional.

Isto posto, já posso falar do processo político de uma comunidade, entendendo suas vantagens e desvantagens pelo processo de globalização.


A política é matéria subjetiva, diz respeito as relações humanas e a lógica administrativa de uma sociedade, excluída a ótica de “pacto entre os iguais”.

Por essa razão, se não compreendermos a política como atividade imanente aos homens e transcendental a eles, é possível que nos restrinjamos aos deuses, monarcas, déspotas, absolutistas, legisladores, caciques etc.. como os verdadeiros heróis da história; como única atividade política e desconsidere a relação do e entre os homens, cedendo às retóricas, as promessas não cumpridas sem saber com clareza qual engodo é pior: se do político que passa, se do que se estabelece, restando nesse processo uma única coisa boa: a esperança no futuro. Cada vez mais esmorecida à medida que vivemos.

De maneira que a esperança no futuro precisa ser transformada em uma nova visão de futuro que parte da nossa vontade de mudança, mas não só; que reconhece as intenções locais, mas não só; que acata o novo como herói, mas não só. A visão de futuro não coloca o homem num processo de ostracismo e de egoísmo sem precedente ou de um orgulho insaciável incapaz de se reconhecer o óbvio dos seus gestos, que não compromete a si, mas todos, enquanto seres socialmente organizados. Não basta apenas a nossa vontade, é preciso reconhecer as outras; não basta apenas reconhecer as intenções locais é preciso ler o contexto regional, do Estado, do País e até de organismo internacionais, dos quais, economicamente, dependa o progresso local; não basta acolher “o novo” como salvador ou lenitivo para os males sociais e econômicos, é preciso compreender a possibilidade de alianças com “o velho”, com o diferente segundo a versatilidade do novo líder e assim por diante. A política não é mais “um negócio da china” no sentido da exploração social dos homens, mas uma ciência que desenvolve dos homens para com os homens estruturada na racionalidade dos próprios homens e não crença vã dos deuses, que heroicamente salvaria o mundo.

Precisamos superar a política dos coronéis, dos salvadores da pátria, das fórmulas mágicas de resolução de problemas sociais cancerígenos. Precisamos ver as coisas e a política como realmente elas são: sem romantismo e retóricas “calientes”. Caso contrário, continuaremos marcando passos, na retaguarda de outros.


Gaudêncio Amorim – 1º Vice-Presidente da União Poxorense de Escritores; pedagogo, Cientista político (UNIVAG), Pósgraduando em Gestão e financiamento da educação (UFMT) e diretor da Escola Estadual Pe. César Albisetti em Poxoréo- MT.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

ZELO PELO CRÉDITO

Luís Carlos Ferreira

Neste Comércio Não Entre,
Porque Perderás A Bolsa E O Ventre.
Mas, Se Duvidas – Adentre...

Os Preços Estão Acima Da Média,
Cada Aviso É Uma Enciclopédia;
Os Produtos – Parecem Comédia.

Neste Comércio Ninguém Pechincha,
Porque Logo O Dono Rincha
E, Lá No Fundo, A Dona Relincha.

Nem Se Fala Em Venda A Prazo,
Aliás Faz Até Pouco Caso...
Tua Fala Vai Pro Fundo Do Vaso.

O Sistema É “Compra E Venda”
Sem Entrega Da Encomenda...
É Verdade – Não Te Ofendas!

Vá Comprar N’outro Local,
Onde Não Te Tratem Mal...
Não Alimente O Comércio Canibal.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

É tempo de acampar

Cachoeira do Lucas, em Poxoréu, MT.


* Izaias Resplandes

A cidade é maravilhosa, cheia de cores, cheiros, sabores... Encantos que sempre cabem nos bolsos e bolsas de cada um. É quase certo que se pode encontrar qualquer coisa que se procurar. Eu sou urbano. Embora tenha nascido no campo, aos dez anos eu fui viver na cidade e me apaixonei por suas luzes, pelo seu esplendor, pela beleza das magníficas construções e até pelo corre-corre de seu movimento.
Eu ainda me lembro de quando cheguei em Alto Araguaia, MT, na divisa com Goiás, nos idos de 1969, para estudar no Ginásio Pe. Carletti. Era tardezinha. Começava a turvar. Então, após uma curva da estrada eu avistei as luzes da cidade. Quantas luzes! Que coisa linda! Aquela imagem nunca mais se apagou da minha mente. Para mim fora como se estivesse chegando ao céu. Que encanto! Amor à primeira vista.
Dois anos depois eu fui à loucura. Nós nos mudamos para Goiânia, GO. Aquilo não era cidade. Era uma “coisa absurda”. Para todo lado que a gente olhava só se viam prédios e mais prédios, cada um mais alto do que o outro. Passamos vários anos andando a pé de um lado para outro, conhecendo aquela maravilhosa cidade. A gente só tem condições de conhecer uma cidade andando por suas ruas, becos e praças. Que comidas deliciosas, que cheiros, que perfumes! O Mercado Central era um dos meus lugares preferidos, mas eu também gostava do Parque Mutirama, do Jardim Zoológico, dos cinemas... Ali tinha de tudo que a gente pudesse imaginar. Eu amei Goiânia, casei com uma goiana, sou esmeraldino (torcedor do Goiás Esporte Clube) e daqui a alguns dias estará nascendo Davi, o meu neto goianiense.
Mas nada é para sempre. Até um amor pode ser substituído por outro amor. Só as idéias são eternas. A vida é volátil, passageira e está em constante mutação. Então eu saí de Goiás e vim para Poxoréu com a intenção de ficar. Meu Deus! Foi uma mudança radical. Esta cidade não tinha nada a ver com aquela. Sei que após a noite, vem o dia; que após a tempestade vem a calmaria, mas haja paciência.
Eu sofri bastante nos meus primeiros meses em Poxoréu. O ser humano vive fazendo comparações. E eu ficava irritado quando queria uma coisa e não encontrava aqui. Então eu ficava bravo com minha família que havia insistido comigo para que viesse morar nesta cidade. Eu dizia que não sabia onde estava com a cabeça para vir parar nesse buraco. E meus irmãos que já viviam aqui e gostavam do lugar, me escutavam de forma compreensiva, sem replicar, sabendo que o tempo haveria de me transformar. E assim aconteceu.
O tempo foi passando, passando... Comecei a tomar gosto por Poxoréu. Passei a apreciar seu relevo, seus morros, seus rios, sua gente... Fiz amigos, fui convidado para escrever. Primeiro, no jornal “A Seiva”, da Escola Pe. César Albisetti; depois fundei “A Gazeta do Estudante” e, através dela cheguei ao “Correio de Poxoréo”, um antigo jornal da cidade, fundado em 1939 por João José Freire, Joaquim Dias Coutinho, Joaquim Nunes Rocha e que já teve entre seus redatores, o historiador Jurandir da Cruz Xavier e o jornalista Weller Marcos.
Na medida em que eu escrevia sobre Poxoréu e para o povo da região eu fui amando cada vez mais essa cidade. Hoje, Goiânia já não me fascina mais do que o encanto de Poxoréu. Aqui existe a paz e o sossego divino. Há lugares maravilhosos, cada um mais lindo do que o outro.
Deus foi generoso com Poxoréu. Deu-lhe um relevo espetacular. Este é o lugar para se descansar do corre-corre da cidade grande sem quase sair da cidade. Esta é uma cidade rural, com excelentes recantos para se acampar, ouvir a voz da natureza, o canto dos pássaros multicores... Aqui é possível tomar banho de cachoeira (há tantas!), pescar de canoa no rio Poxoréu, descer de caiaque no rio das Mortes...
Então a hora é agora. Para esta semana santa e esse feriadão de quatro dias, não há nada melhor do que abraçar a terra, beijar a flor, cantar para a lua cheia e fazer uma seresta de amor para a natureza. Com certeza, esse é um dos melhores tempos para se acampar por aqui neste ano.

*Izaias Resplandes é advogado, gerente de cidades, professor e presidente da União Poxorense de Escritores.

O VIOLEIRO E A ESTRADA



O VIOLEIRO E A ESTRADA
Aurélio Miranda

NASCÍ PRÁ SER VIOLEIRO
UM POETA CANTADOR
SOU FILHO DE MATO GROSSO
NASCIDO NO INTERIOR
LA DAS TERRAS DE RONDON
ONDE O SOL TEM MAIS CALOR

SAÍ DE CASA MENINO
O MUNDO FOI MINHA ESCOLA
ME RALEI PRÁ TER SUCESSO
NO BRAÇO DESTA VIOLA.

CANTEI PROS DOIS MATO GROSSOS
BEM ANTES DA DIVISÃO
DE CUIABÁ A GOIÂNIA
EU JÁ FIZ TREMER O CHÃO
CAMPO GRANDE TRÊS LAGOAS
DOURADOS E REGIÃO
CANTANDO O BRASIL AFORA
PELAS FESTAS DE PEÃO.

GOSTEI DO CHÃO DE GOIÁS
DO SUL E NORTE DE MINAS
DE SÃO PAULO AO PARANÁ
EU FUI À SANTA CATARINA
LÁ NO RIO GRANDE DO SUL
ME ENTREVEREI COM UMA CHINA
FOI UMA PAIXÃO GOSTOSA
DE PORTO ALEGRE A LONDRINA.

ESTE PAGODE OFEREÇO
A TODOS OS RADIALISTAS
MEUS AMIGOS DA IMPRENSA
TELEVISADA E ESCRITA
QUE GOSTA DO SOM DA VIOLA
E DE UMA BOA ENTREVISTA
O LOCUTOR SERTANEJO
QUE FAZ CRESCER O ARTISTA.

http://www.vagalume.com.br/aurelio-miranda/chao-da-saudade.html#ixzz1K1vY95bU

terça-feira, 19 de abril de 2011

Homenagem ao José Nunes Farias


Upenino Edinaldo Pereira (foto)

Morre-se.

Essa é a grande verdade pra quem vive.

E assim, prematura e repentinamente, no fim do dia 08/04/2011, partiu o amigo, o pai, o companheiro, o irmão, o tio, o músico, o colega de escola José Nunes Farias.

Sua existência terrena não se passou em brancas nuvens, nem adormeceu em plácido repouso. Viveu! Amou e sofreu seus amores, animou tantos de nossos carnavais, instruiu tantos alunos da fanfarra da escola Poxoréu, fez felizes a todos nós com suas piadas intercaladas nas conversas sérias.

Assim era o Zé Nunes: uma alma inquieta!

Seus fantasmas o levaram para o que lhe degradaria o corpo, mas nunca houve quem pudesse dele dizer que não fosse de um caráter extremamente honrado.

Há poucos dias, preocupava-se com a educação do filho (meu aluno) e passamos um tempão conversando sobre os áureos anos na Escola Poxoréu. Peripécias de adolescentes.

Quis o destino que eu não tomasse conhecimento de seu falecimento em tempo hábil para prantear seu corpo na companhia dos outros tantos amigos e familiares, nem fosse presença em seu sepultamento. Assim, tenho apenas as imagens de um Zé Nunes vivo, por vezes doído, acabrunhado, mas um ser humano com H maiúsculo, com esperanças e sonhos.

Hoje, enquanto cobre-nos a tristeza de sua falta, a Escola de Samba Estrela D'Alva do Céu ganha mais um componente. Mais um treme-terra ecoa nos trovões pra avisar que um novo ritmista ingressou no mais sublime dos batuques. Chegou o Zé! Vai fazer barulho com os saudosos Rafael Martins e sua cuíca, com Vanderley (Pica-Pau) e José Soares (Zezinho). Todos nós que ainda tocaremos outros carnavais honraremos a mesma bandeira que lhe cobriu o caixão até que nosso ingresso seja aceito no céu dos sambistas. Faça boa companhia ao Renato Feitosa, nosso saudoso colega da turma de 1986.

Nesses troféus que você, Zé, ajudou a conquistar como percussionista, fica o nosso agradecimento eterno pela alegria que proporcionou a milhares de foliões.

Até logo, companheiro!

Saudades de todos os que te foram queridos.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Rompendo as Correntes.


* Gaudêncio Amorim (foto).




“A liberdade é algo que não se decreta porque ninguém liberta ninguém e ninguém se liberta sozinho” dizia Torres Nóvoas (1979) se referindo a educação libertadora de Paulo Freire.

As pessoas se libertam na conquista de sua prática de liberdade, seja resultando de um exercício consuetudinário, de uma atitude emancipadora de si mesmo em relação aos outros, de um exercício legal da razão e dos atos, seja enfim, resultado do conhecimento manifestado na ação, ou seja, daquele que pratica porque sabe dos seus direitos e, uma vez negado, sabe também como restabelecê-los.

Houve um tempo em que a liberdade era decretada, dependendo assim da vontade de outrem. Em nome de uma vontade pessoal, tilintar de açoites faziam minar rios de sangue em homens com direitos ignorados à margem da cidadania; correntes frias e cálidas cingiam um pacto polarizado de uma raça superior contra uma outra inferior ou, dos cidadãos e dos não cidadãos, dos que tinham direitos e dos que tinham apenas deveres.

O sonho de liberdade de muitos que ousaram conquistá-la se coroaram na sua própria sentença de morte, porém, era preciso ousar, porque jamais os cidadãos daquelas épocas concediam uma liberdade por decreto. Por outro lado, os homens eram escravos de si mesmos na correlação das forças através do medo de liberdade. Todos desejavam, mas a sua busca estava envolta num terreno minado e entre a liberdade e a vida, esta última impunha o temor. Todavia, a razão humana dos “quase subumanos” tomou proporções mais racionais à medida em que compreenderam a máxima do Torres Nóvoas: de que ninguém se liberta sozinho. E, é assim que as revoltas localizadas forjaram a liberdade, como conseqüência não de uma outorga do setor dominante ou de um decreto governamental, mas de uma conquista coletiva.

É isso. Hoje o medo ainda atemoriza algumas atitudes, mas não é mais o medo da liberdade. As correntes já foram rompidas há alguns séculos. O medo de liberdade é resultado da insegurança do se sabe sobre a própria liberdade, ou seja, da falta de conhecimento que ainda aliena os homens e os torna míopes no que se refere aos seus direitos humanos e constitucionais.

· Gaudêncio Amorim – Presidente da União Poxorense de Escritores; pedagogo, Cientista político (UNIVAG), Pósgraduando em Gestão e financiamento da educação (UFMT) e diretor da Escola Estadual Pe. César Albisetti em Poxoréo- MT.

domingo, 17 de abril de 2011

ZUN-ZUN-ZUM


Upenino Luís Carlos Ferreira (foto)

Esmeralda Se Esmera,
E Espera Esmeraldo...
Esmeraldo,
Que É Ex De Mera,
Se Esmera Para Ada,
Que Era O Amor De Aldo.
Porém, Ada Se Esmera,
Sonhando Com O Amor De Ado,
Que Se Apaixonou Por Alda.
Mas, Alda Ama Esmeraldo,
Que Nem Pensa Em Esmeralda...

Jornal “O Upenino”


A UPE publica o jornal “O Upenino” desde setembro de 1990 (nº 1). Em 21/12/2010, publicou a edição nº. 21. Já são vinte anos de registros culturais do que acontece e se produz no Município de Poxoréu.


A edição nº. 1 trazia na capa a matéria intitulada “O 7 de Setembro”, escrita por Izaias Resplandes de Sousa, então Secretário Geral da UPE. Naquela matéria, o autor expôs suas idéias sobre a independência do Brasil. Considerou o entendimento simplista das crianças de que no dia 7 de setembro de 1822, pela bravura de Dom Pedro I, o Brasil se tornara independente de Portugal. E avançou no entendimento de que a independência do Brasil é uma luta histórica e que deve ser incentivada pelas lideranças. Segundo o escritor, o 7 de setembro precisa ser marcado com movimentos que lembre a importância dessa luta para a construção da nossa identidade. O jovem precisa de um momento para dizer que ama o seu País e está disposto a fazer o seu melhor para que ele seja de fato independente.

O prof. João de Souza, Secretário Geral da UPE, durante a reunião da entidade realizada em 17/04/2011, falou sobre a importância do jornal O Upenino para a cidade de Poxoréu. Ele é um veículo confiável de transmissão da cultura deste Município para as gerações futuras. Na mesma data, a entidade decidiu envidar esforços para editar uma edição do jornal a cada bimestre, devendo a edição de nº 22 ser entregue à comunidade até o dia 30 de junho de 2011.

A Coordenação Editorial do Jornal “O Upenino” ficará a cargo do Prof. Gaudêncio Filho Rosa de Amorim (Editor) e do Prof. Edinaldo Pereira de Souza (Co-Editor).

Estaremos aguardando ansiosamente a chegada dessa nova edição.

É o que me interessa

A UPE reiniciou suas atividades acadêmicas neste dia 17 de abril de 2011, com uma reunião na Casa Upenina de Izaias Resplandes, o Presidente da entidade. Estiveram presentes os seguintes Notáveis: Zenaide Farias, João de Souza, Gaudêncio Amorim, Luís Carlos Ferreira, Edinaldo Pereira, Amorésio Silva e Izaias Resplandes.


Na ocasião a jovem Mariza Resplandes cantou a música "É o que me interessa", de Lenine (vídeo abaixo).


video

As idéias são eternas

Upeninos reunidos em 17/04/2011: Luís Carlos Ferreira, Wallace Rodolfo, Edinaldo Pereira. Gaudêncio Amorim (em pé); Izaias Resplandes, Amorésio Silva, João de Sousa e Zenaide Farias (sentados).




A alma. O termo deriva do latim “anima” e se refere ao princípio que dá movimento ao que é vivo, que é animado ou o que faz mover. Aristóteles escreveu “Da Alma”, uma obra em defesa da alma e de suas implicações com o mundo físico.

O upenino. A palavra é derivada da sigla UPE (União Poxorense de Escritores), sendo utilizada para designar o membro dessa confraria, criada no Município de Poxoréu, MT, em 31 de março de 1988, com a finalidade de atuar em defesa da arte e da cultura. O upenino é o ser que encarna essa idéia, que vive e luta para transformá-la em realidade, valendo-se, principalmente da palavra, sem prejuízo de outros instrumentos da produção humana.

A palavra. É eterna. É a alma do escritor. É a essência da imortalidade upenina. Segundo um provérbio chinês: “há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”. Pela palavra Deus fez o universo. Ele apenas dizia: HAJA! E as coisas aconteciam. Jesus ressuscitou morto e levantou paralíticos pela palavra: Dizia ele: Levanta-te! E o morto retornava à vida; e o paralítico voltava a caminhar. A palavra é o poder da criação e da destruição. Por ela nós damos existência a mundos extraordinários, habitados por seres poderosos. Segundo Rousseau, a palavra tem três funções: remédio, veneno e cosmético. É nesse sentido que a usamos para criar céus, purgatórios e infernos.

Segundo Platão, apenas aquilo que existe no mundo das idéias é perfeito. Platonista, defendemos que o perfeito é a idéia e o mais que perfeito é aquele que a defende e que acredita em sua potencialidade. Deus é o Upenino-Mor, o Senhor de todos nós que usamos a palavra nos versos, nas prosas, nos poemas, nos romances, nas músicas, na arte como um todo. Seus discípulos, nós somos deuses em potencial e vivemos para dar vida às nossas idéias e inspirações.

A alma upenina é o princípio que nos anima em nossa missão; é a idéia de que nada é impossível no campo das idéias. As rosas falam com o pequeno príncipe de Exupéry. Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia e uma noite mostra sabedoria a outra noite, registra o Salmo 19 de Davi. Nós criamos e reinventamos mundos conforme o modelo das eternas idéias. Lobatos, nós nos transformamos em Américos Pisca-Piscas e colocamos jabuticabas nas aboboreiras e abóboras nas jabuticabeiras. Ainda que algumas criações sejam bizarras, nós criamos, criamos e criamos. Essa é a nossa sina: transformar em obras cada vez melhores para todos as perfeitas idéias eternas.

Ao falar sobre a missão upenina, o Notável Upenino Luís Carlos Ferreira disse que “é preciso continuar o que vínhamos fazendo e avançarmos ainda mais”. E isso será possível, se realmente acreditarmos nessa idéia. E crer na potencialidade da idéia é a nossa vida.

Izaias Resplandes. Advogado e Professor de Matemática é o Presidente da UPE – União Poxorense de Escritores.

domingo, 10 de abril de 2011

O pequeno valente Toninho Nogueira

Foto: Eliel Rangel, Toninho Nogueira, Vereador Jailton Xavier (Poxoréu) e Vereador Felipe Nogueira (Primavera)

* Izaias Resplandes.

Acabei de ler “Primavera (Com e Sem Flores): Crônicas Rasgadas do Cotidiano”, do sul mato-grossense José Antônio de Castro Leite Nogueira, o “Toninho”, um homem de pequena estatura física, mas de uma valentia invejável, a qual transpira nesse seu livro de crônicas políticas, onde narra, de forma pitoresca, a sua trajetória em Primavera do Leste, desde o ano de 1983, até a eleição de seu filho Felipe Nogueira, em 2008, para a legislatura 2009-2012.

Lembrei-me do rei Davi, segundo rei de Israel. Era um jovem de baixa compleição, mas de uma bravura a toda prova. Estando Israel em guerra contra os filisteus, estes lançaram um desafio homem a homem: um filisteu contra um israelita. O que vencesse garantiria a vitória ao seu povo e os demais se renderiam. E os filisteus apresentaram Golias, um guerreiro gigante. Ao vê-lo, os homens de Israel tremeram de pavor ante a hipótese de enfrentá-lo. Todavia, o pequeno Davi não recuou e se apresentou como voluntário para a luta. E ainda dispensou a armadura do rei Saul e suas armas, enfrentando o gigante apenas com uma funda e cinco pedras em seu boldrié, vencendo-o com certeira pedrada no meio da testa e cortando-lhe a cabeça com sua própria espada.

Toninho enfrentou os gaúchos de Primavera quando estes estavam começando a construção de sua cidade no cerrado mato-grossense. Certamente não foi fácil para ele ouvir de Adevino Castelli “Castelão” a dura crítica que este lançara-lhe ao rosto quando fora nomeado para o cargo de Gerente da CASEMAT: “Não sei o que tu tá fazendo nesse lugar, ocupando um cargo que deveria ser de um gaúcho”, conforme registra em sua “Recepção Calorosa” à pag. 13 do livro. Que recepção!

Ainda dá para imaginar a situação do escritor diante do “Dr. Faissal, um soberbo delegado de Rondonópolis” destacado para atender às eleições de 1988, em Primavera do Leste. Naquela ocasião, de acordo com o relatado em “Boca de Urna” (pág. 20), Toninho, pego fazendo boca de urna pelo “sargento Roberto, um rotundo policial que àquela época comandava o destacamento local da PM”, fora levado ante o delegado com os bolsos cheios do dinheiro para a boca de urna. Diz o escritor que “suava frio, pensando na hora em que descobrissem o dinheiro em seus bolsos”. Foi muito interessante a forma com que se safou.

O livro traz diversas narrativas das situações difíceis enfrentadas de forma brilhante por Toninho Nogueira. Mas, dentre essas, duas mais merecem um destaque especial.

Em “Constrangimento” (pág. 33), Nogueira conta como teve que lutar corporalmente com o vereador Edeilto Machado e seus irmãos, por conta de um disse-me-disse iniciado por uma declaração maldosa do então vereador Angelim Baraldi. Segundo este, Edeilto teria acusado Toninho de ter sido beneficiado com a venda de uma escola da cidade. Toninho não gostou da “declaração” e ocupou a Tribuna da Câmara, de onde revidou o ataque, sem saber que tudo não passava de uma armação baraldiana. Edeilton não concordou com o revide, quis ir à forra e o pau quebrou. Mas, apesar de estar em desvantagem, o Toninho não fugiu à luta.
O outro episódio destacado é o caso de “As botinas são minhas” (pág. 87). Nesta história, o escritor enfrenta o ladrão de botinas em plena rua, quando “morava na cidade [de Primavera do Leste] havia apenas 30 dias”. Quando lia esta crônica, ficava imaginando o Toninho imobilizando “o gatuno”, prendendo-o ao chão do lado da cabeça, esmurrando-o, enquanto sua esposa Rosângela estava sentada “sobre as pernas do infeliz retirando-lhes as botinas”.
Em todas essas situações, foi preciso mesmo muita coragem para enfrentar a adversidade. De forma que Toninho, como o rei Davi, embora seja um homem pequeno de estatura, sempre foi muito corajoso, seja quando enfrentou as situações descritas, seja muito mais quando não teve o receio de recontá-las para todos nós neste seu também pequeno grande livro de crônicas. Que outras surpresas ainda nos trará Nogueira? Só o futuro dirá. Aguardemos.
_______________
* Izaias Resplandes de Sousa, advogado com atuação nas Comarcas da região de Poxoréu, é pedagogo e professor de Matemática na rede pública estadual de MT.

sábado, 9 de abril de 2011

Educação democrática


Prof. Izaias Resplandes


A educação é a salvação do mundo. Ela é responsável pela transmissão dos saberes, seja de pai para filho, na chamada educação de berço e que é muito importante para todos nós, seja na educação escolar, onde os pais recebem o apoio de professores preparados para ensinar as artes das ciências nas quais se formaram e se especializaram.








quarta-feira, 6 de abril de 2011

As escolas demais e os gênios de menos

* Izaias Resplandes.

Em todos os tempos, a sociedade foi, proporcionalmente, a mesma. Uma pequeníssima parte se compõe de pessoas geniais, criativas, interessadas em pesquisar e conhecer novas formas de fazer as coisas. Essas poucas pessoas foram aquelas que inventaram toda essa parafernália tecnológica que a todo instante muda o nosso jeito de fazer acontecer. Essa é uma gente que pensa, que age e que faz! Do outro lado, há uma grande maioria, muito útil para testar as novas descobertas, para saber se elas realmente funcionam. Essas são pessoas simples, da média para baixo, gente que se encontra em toda esquina e que aos milhares se acotovelam por aí, brigando por qualquer coisa, ainda que insignificante seja. Ontem foi assim, hoje também e amanhã não será diferente. Só para raciocinar. Se em um instante do início tínhamos uma razão de um para dez de geniais para comuns, com o passar do tempo, multiplicando aquela razão inicial por cem, teríamos cem geniais em cada mil pessoas. Projetando essa proporcionalidade sobre a população mundial atual, veremos que hoje teríamos uma razão de 900 milhões de geniais vivendo em um universo de 9 bilhões de pessoas.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Primavera (com e sem flores)

Em que pesem as chuvas continuarem a cair insistentemente sobre Poxoréu, o clima neste início de abril de 2011 foi bastante agradável nesta cidade.

Diziam que era "o dia da mentira", mas o que tivemos foi um dia de grandes verdades, reveladas através da pena inspirada de Toninho Nogueira. Ocorreu que, na data aprazível a população presente no Plenário da Câmara Municipal Vereador Tarquínio Soares e Silva teve a satisfação de adquirir em primeira mão e devidamente autografado, o primeiro livro do Dr. José Antônio de Castro Leite Nogueira, intitulado “Primavera (com e sem flores): Crônicas Rasgadas do Cotidiano”, além de ouvir uma avaliação da obra feita, não apenas pelo autor, como também por seus convidados.

A sessão solene para o lançamento do livro foi organizada pela UPE – União Poxorense de Escritores, em parceria com a Câmara Municipal de Poxoréu. Na ocasião o escritor Toninho, como é popularmente chamado, falou dos motivos que o levaram a escrever a obra, a qual, na verdade, há muito tempo vinha sendo escrita.

As histórias contadas pelo autor são acontecimentos de ontem e de um hoje bem próximo. Toninho fala da família, dos amigos e até dos não muito chegados, mas sempre com perspicácia, cortesia e muito talento, de forma que todos certamente se deliciarão com a leitura do livro, que, dificilmente, passará além do primeiro fôlego.

“Primavera (com e sem flores): Crônicas Rasgadas do Cotidiano” foi prefaciada pelo escritor Celso Antunes, autor de mais de 240 livros, entre didáticos e paradidáticos, os quais têm sido traduzido para diversas línguas. Segundo o prefaciador: “o livro do Toninho não deixa de ser a História ensinada na Escola, ao relatar tempos idos de primaveras que viraram nome de cidade. É história verdadeira, ciência e método colhido desse lindo documento, que é a vida que se viveu”.

O livro começa falando dos embaraços aos primeiros passos do autor na cidade de Primavera do Leste, no ano de 1984, quando ali ainda predominava uma população de gaúchos. E termina contando o encantamento de Primavera com a família Nogueira, ao eleger o Dr. Felipe Nogueira para ocupar uma das nove vagas do Legislativo local. Toninho conta essa história com muito amor no coração. Dá para sentir as suas lágrimas de emoção, as quais ele tem dificuldade de conter quando fala na brilhante trajetória política do filho que chegou a um patamar aonde ele mesmo até hoje ainda não chegou, o que o faz verdadeiramente feliz e agradecido ao povo de Primavera do Leste.

Há muitas outras histórias contadas no livro e outras ainda por contar. E, para aqueles que já degustaram esse delicioso petisco e estão ansiosos por mais, o autor diz já estar trabalhando em outros escritos, com novas crônicas. Aliás, ele diz que não consegue parar de escrever. E nisto ele está certo, porque escrever é mesmo um vício. O difícil é começar. Mas depois que se toma gosto, aí o difícil mesmo é parar.

Na condição de Presidente da UPE – União Poxorense de Escritores, temos a satisfação de recomendar a leitura de “Primavera (com e sem flores): Crônicas Rasgadas do Cotidiano”, do escritor Toninho Nogueira. A obra é um, verdadeiramente, um diamante de grande valor para o acervo da literatura regional mato-grossense e que, sem dúvida será uma fortuna nas vidas daqueles que a adquirirem.


Izaias Resplandes

Escola com aluno e aluno com escola



Prof.Gaudêncio Amorim


A pedagogia moderna, assim como as pedagogias, ao longo da história brasileira, modela-se e remodela-se, conforme o paradigma da época, adaptando-se as correntes intelectuais que mais se identifica, porém, com ênfase no modelo ideológico vigente que a inspira ou fundamenta.


É verdade que em todos os momentos históricos, a pedagogia demonstrou imensa preocupação com a formação intelectual dos educandos, mas é também verdade que ela se curvou frente á imposição capitalista do modelo neoliberal, embora a maioria dos profissionais que a praticam não se dão conta do fenômeno e, por isso mesmo, a legitimam o que, também, é aceitável tendo em vista as regras estruturais impostas pelo próprio sistema, afinal é muito mais cômodo seguir a correnteza do que lutar contra.


É de se considerar que até o governo Lula, a educação brasileira viveu os paradigmas dos acordos internacionais e a eles se sujeitavam, haja vista a subordinação natural da relação econômica com a elite dominante, caracterizada pelo poderio do Fundo Monetário Internacional que, entre outras obrigações, exigia a diminuição do fracasso escolar, público e notório entre os alunos egressos de famílias dos estratos populares de baixa renda; No 2° mandato do governo Lula tal exigência não se impunha, pelo menos com o vigor de antes, já que a dívida externa, típica do subdesenvolvimento e característica principal da dependência econômica de países desenvolvidos estava controlada; já não crescia ao patamar da dependência absoluta em comparação com os períodos anteriores da história brasileira desde de Dom João VI, o qual endividou-se com bancos ingleses e sobreviveu dos acordos econômicos com a Inglaterra, desde a proteção da Marinha Inglesa a sua comitiva em 1807, quando fugia das tropas de Napoleão Bonapart.


Já está provado que a tática educacional de premiar e punir não educa ninguém e se assim agirmos, muito provavelmente, reataríamos a educação dos sofistas como “mercadores do conhecimento” e postando nossa didática na contramão da difusão do verdadeiro conhecimento (no sentido da amplitude), matando todos os Sócrates (como fizera os Sofistas) e fazendo com que nossos alunos permaneçam presos à caverna platônica, ignorando a luz e se dando por satisfeitos com as sombras que povoam seus olhos na longevidade dos seus dias, e nós, orgulhosos (ou não ) do nosso ofício, fingindo que ensinamos enquanto os alunos, pelas estatísticas fingiram que aprenderam.


A educação, para ser justa, necessita da produção de iguais, pelo menos uma cópia pálida de um DNA de conhecimento com uma mutação pelo menos equivalente ou ainda melhor que os intelectuais de nossa época. Senão assim, é provável que vislumbraremos a centelha de luz, cada vez mais distante no horizonte, marcando passos no conhecimento proximal ou então, um conhecimento que, no estágio para conhecimento verdadeiro, tornou-se o próprio produto do conhecimento, dando-nos por satisfeitos, sem esperanças, céticos, numa dimensão egoísta como se dissesse: “não está bom para todos, mas está bom para mim”.


Nunca foi tão propalada a necessidade da majoração estatísticas das aprovações. Com efeito, este é um estágio que, face do desenvolvimento econômico e tecnológico a que chegou nosso país não mais se justifica, antes, já não era procedente a conduta da punição dos alunos com o fracasso escolar, embora pudesse aceitar o fenômeno, entre os vários condicionantes, com pelo menos duas vertentes: uma, de origem econômica, assentada na produção primária de um país ainda muito subdesenvolvido, outra, na formação dos intelectuais, eivado dos vícios que determinavam a punição para aqueles que não logravam êxito frente às exigências do mercado dominante, de modo que sobressaia-se, uma pedagogia reprodutiva do sistema e, em pouco ou quase nada colaborava para emancipação do educando. Entretanto, hoje, é de se exigir que o sucesso escolar não seja demonstrado apenas na variação numérica, na majoração matemática, indicada de forma estanque por um número crescente, como se os números explicassem tudo, como afirmara Pitágoras, no Sec. VI a.C. É preciso inquietar-se com a qualidade estatística que cresce, ou seja, com a dimensão espacial do número e com a possibilidade de transformação dos espaços ocupados por eles.


Explicar a educação pelo crescimento estatístico pode ser um vôo solitário se as ações daqueles que o demonstram não puderem espelhar tais resultados na expectativa social ou se, por outro lado, constatarem que o pouco conhecimento que adquiriram ainda se constitui uma alavanca frágil na concorrência com o Capital, marcado pela excelência do TER.


Assim, se o teor acima fizer sentido para uma reflexão preliminar de nossas práticas, não exalando como éter que se dissolve na oposição do ar, é possível produzir uma discussão capaz de evoluir de uma escola com alunos para alunos com escola.


Gaudêncio Amorim, 1º Vice-Presidente da UPE (gestão 2011/2012) é Professor de Filosofia e Sociologia da E.E.Pe. Cesar Albisetti, em Poxoréu, MT.